quinta-feira, 19 de junho de 2014

"Falling" - Cap. 40




Acordei com dor no corpo e uma luz muito forte sobre meu rosto. Abri os olhos e quase fiquei cega com os raios de sol que entravam pela janela da delegacia. Percebi que eu estava deitada nas cadeiras da sala de espera, levantei e olhei em volta, procurei por Justin, mas só havia alguns policiais conversando e tomando café.
- Elizabeth. – Minha mãe falou atrás de mim, virei e vi que ela parecia estar muito brava. – Você ficará de castigo por muitos meses, mocinha.
- Desculpe. – Disse sem graça.
- Maisie. – O Delegado sorriu ao ver minha mãe e as bochechas dela coraram, olhei-os desconfiada.
- EU NÃO QUERO SABER JUSTIN, VOCÊ VEM COMIGO. – Um homem gritava com Justin, olhei-os e percebi que eles eram muito parecidos, parecia ser o pai dele.
- Pai. - Justin estava cabisbaixo, olhei minha mãe conversando com o delegado e aproximei-me do Justin e seu pai, que assinava alguma coisa.
- Eu acordei e você não estava aqui. – Disse confusa.
- Estava respondendo um questionário, desculpe. – Justin não encostou em mim, não me abraçou, nem se quer olhou em meus olhos.
- Seu casaco. – Tirei e o entreguei.
- Obrigado Liz. – Justin vestiu o casaco e me olhou.
- Está tudo bem? – Perguntei e olhei para as costas do pai dele.
- Desculpe. – Justin segurou minhas mãos. – Sim, está tudo bem meu amor. – Ele me abraçou. – E você, como está?
- Melhor. – Sorri. – Minha mãe disse que ficarei de castigo. – Fiz careta e Justin riu. – Seu pai está muito bravo? – Falei baixo.
- Um pouco grilado. – Justin fez careta e me puxou para um canto. – Fica longe dele.
- Por quê? – Perguntei confusa.
- Eu não quero que ele te chateie com as coisas grosseiras que sempre diz. – Justin segurava meus ombros. – Só ignore, ok? – Assenti e Justin sorriu.
- Você está cansado. – Acariciei seu rosto, Justin deitou a cabeça em minha mão e fechou os olhos, puxei-o e deitei sua cabeça em meu ombro, eu era mais baixa então deve ter ficado desconfortável, mas ele não se moveu. – Precisa descansar.
- Eu tenho que esperar o pai do Bill para outro depoimento. – Justin disse levantando a cabeça.
- Mais? – Revirei os olhos e Justin assentiu cansado. – E o que seu pai está assinando?
- Eu não faço ideia. – Justin estava tão acabado, eu só queria poder tirar um pouco de cansaço dele. Abri os braços e Justin sorriu fraco, segurei sua nuca e ele se aproximou, me abraçando, fiquei afagando seu cabelo. – Eu preciso de uma cama.
- Logo isso acabará. – Disse e beijei seu pescoço, Justin apertou minha cintura e olhou nos meus olhos.
- Ponto fraco. – Ele sorriu malicioso e beijou o canto dos meus lábios.
- JUSTIN. – O pai dele falou um pouco alto, Justin se assustou e segurou minha mão. – Você vai comigo para casa.
- O QUE? – Justin soltou minha mão. – Eu não vou.
- Cala a boca, você ajudou em um crime, acha mesmo que vou deixar você morando com a irresponsável que é sua mãe? Primeiro ela deixa você vender o carro, agora você ajuda em um assassinato. Você vem comigo garoto!
- Você não sabe nada sobre mim, você nunca se importou, nunca esteve presente, quem é o irresponsável?
- Essa é a sua namoradinha? – Meu pai perguntou e eu sabia que ele falaria algo grosseiro. – Está feliz por saber que ele vendeu um carro caríssimo por sua culpa?
- CALA A BOCA. – Justin gritou e me colocou atrás dele. – Ela não me pediu isso, eu fiz por que queria ajudar. Sabe por que eu queria ajudá-la pai? Porque eu a amo, Elizabeth me mostrou o que gostar de verdade de alguém, mas eu não o culpo porque você vai saber o que é isso.
- No carro, em dois minutos. – Foi tudo o que ele disse.
- Eu não vou. – Justin respondeu.
- Eu sou responsável por você.
- Não, minha mãe é! – Justin estava ficando irritado.
- Justin. – Sussurrei e ele abriu uma das mãos, entrelacei nossos dedos. O pai dele abaixou os olhos, ele estava se sentindo muito mal com o que o Justin disse. – Abrace ele. – Sussurrei de novo e soltei sua mão.
- Sem chance – Justin disse.
- Faça o que quiser. – O pai dele disse e saiu dali cabisbaixo, Justin me olhou e eu o abracei.
- Desculpe pelo que ele disse. – Justin beijou minha bochecha.
- Não queria que brigassem. – Justin também não queria, ele ficou mal por ter dito aquelas coisas.
- Tudo bem. – Ele soltou um longo suspiro e afastou-se um pouco.
- Justin – O delegado e minha mãe se aproximaram. – Você pode ir para casa, mandarei um oficial caso eu precise de mais depoimentos.
- E você vai para o seu quarto e ficará lá estudando, Elizabeth. – Minha mãe disse com autoridade, suspirei e revirei os olhos.

- Nos vemos no colégio? – Perguntei e Justin assentiu com os olhos quase fechando, segurei seu rosto e juntei nossos lábios, nos beijamos e depois eu o abracei muito forte. – Fica bem, ta?
- Me liga depois? – Justin disse perto do meu ouvido e distribuiu alguns beijos ali, olhei em seus olhos e assenti. – Se cuida, meu amor. – Justin soltou minha mão e eu entrei em casa cambaleando de sono. – Te amo.
- Justin, você não quer entrar? – Perguntei e ele arregalou os olhos, Justin sorriu e assentiu.
- MÃE, EU VOU DORMIR UM POUCO TA? – Gritei da sala enquanto Justin subia a escada.
- Eu vou trabalhar, por favor, não faça nada ilegal. – Ela quase implorou e eu ri.
- Me desculpe por ontem, eu sei que vacilei. – Disse recebendo um beijo na testa.
- Descanse um pouco. – Ela sorriu amigável e saiu, comemorei e subi a escada correndo, Justin estava rindo, sentado em minha cama.
- Nos vamos para o céu. – Disse fechando a porta, aproximei-me e Justin me puxou, eu beijei seu pescoço e ele segurou minha cintura.
- EU JÁ TO NO CÉU. – Justin gritou e nós rimos. Ele tirou a alça da minha blusa do caminho e beijou meu pescoço até meu ombro. Justin jogou-se para trás e caímos completamente na cama. Eu estava mais que certa de que ele era o homem da minha vida.
Continua.

Eu sei, não me matem.
Gente, sério, eu penso em vocês sempre, mas eu realmente não tenho tempo. Eu nem vou ter férias esse ano por causa dos vestibulares, mas eu achei muita mancada eu não continuar aqui, então eu vou postar esse capítulo e provavelmente o próximo será o último. Eu não posso prometer que vou continuar sendo que eu não tenho tempo, então eu vou fazer assim e pelo menos vocês teram a fic terminada pra ler. Não vou excluir o blog, eu vou deixar aqui, mas eu acho que essa realmente será a última fic. Eu quero chorar por causa disso, não queria acabar, mas enfim, é o que dá pra fazer.
Então, espero que não fiquem bravas. No próximo capitulo eu faço mais um textinho desse agradecendo. Até.

5 comentários:

  1. Olha desde do dia da sua ultima postagem eu venho olhando no seu blog todo dia pra ver se vc tinha postado o próximo cap mais eu esperei e vc me deu esse cap lindo pf continua e tenta escrever mais vezes se possível pforzinho

    ResponderExcluir
  2. Porque você não faz um teste pra uma leitora escrever no seu lugar,vc nao pode abandonar as suas leitoras,eu mesmo participarei do teste de vc fizer...tenho um blog mais nao e famoso

    ResponderExcluir