quinta-feira, 28 de março de 2013

"The Mission" - Cap. 8




Scooter estava olhando fixamente para seu celular, ele lia alguma coisa, Justin cochilava deitado em meu colo. A foto do Scott com meus pais, não saia da minha cabeça, eu sentia necessidade de perguntar, mas não podia... Eu não posso, não posso...
- Scooter... Onde você estudou? – Perguntei.
- Em colégio que foi demolido há algum tempo, você não deve conhecer. Por quê? – Ele me olhou depois da pergunta.
- Você não tinha nenhuma paixão, uma namoradinha? – Perguntei rindo, mas por dentro estava muito séria.
- Uma vez, eu me apaixonei por uma garota, mas meu melhor amigo também gostava dela e ele ganhou, eles começaram a namorar e nós três nos tornamos muito amigos, éramos o trio mais unido de toda a cidade...
- Qual era o nome deles? – O interrompi.
- James e Elena – Meu coração disparou... Meus pais. – Enfim, eu percebi que não gostava tanto assim da Elena e me apaixonei algumas vezes, mas nada durou... – Ele sorriu. – Você perguntou isso, porque eu não sou casado, ou tenho namorada, não é? – Ele riu.
- Sim. – Menti. Será que Scooter prendeu meus pais porque ele ainda ama minha mãe?
- Bem, eu não sei o motivo, mas nenhum namoro deu certo até agora, talvez não fosse para acontecer... Ainda não chegou o momento.
- E esses seus amigos... Você ainda mantém contato com eles? – Insisti no assunto.
- Não, eles se casaram, se mudaram por conta do trabalho e nós fomos perdendo o contato. – Ele pareceu nervoso ao dizer isso.
- Ah sim. – Olhei para a televisão, tentando acabar com o assunto, Justin se mexeu e foi acordando.  
- Hey princesa. – Ele sorriu e levantou.
- E aí bela adormecida. – Disse sorrindo, Scooter riu e Justin mostrou a língua.
- Meggy, eu preciso buscar a Melissa na casa do irmão dela, você vêm comigo? – Ele me olhou tentando me passar a mensagem por trás disso, então, assenti.
- Tudo bem. – Justin levantou e eu também.
- Nós já voltamos Scott. – Ele segurou minha mão e cruzou nossos dedos.
[...]
O irmão da Melissa quase nos obrigou à entrar, ele cheirava álcool e isso me deixava enjoada. Ele ofereceu milhões de bebidas para nós, nenhuma sem álcool. Eu olhava Justin cada minuto e ele sorria, fingindo que não percebia que eu estava incomodada.
- Vamos logo Justin. – Sussurrei e ele me olhou, Justin levantou e anunciou que iríamos embora.
- A Mel está vindo... – O irmão dela disse.
- Vamos esperar lá fora então. – Justin me olhou e eu levantei.
- Até mais gatinha. – O cara com cheiro de álcool beijou minha bochecha, juro que quase vomitei, sai dali quase correndo.
- Mas que merda Justin, essa garota faz de tudo para te enrolar e você fica beijando os pés dela. – Reclamei quando estávamos sozinhos.
- Do que está falando? – Ele me olhou, confuso.
- Toda vez que você vem aqui, ela faz de tudo para que você fique sozinho com esse cara, para que você beba. Tenho certeza que não estava sóbrio quando transaram.
- Meggy! – Ele parecia constrangido.
- Estava? – Perguntei e ele ficou mudo. – Eu sabia.
- Eu não bebi agora.
- Porque eu estou aqui, mas eu não estarei para sempre. Você precisa ter controle sobre si. – Disse com o pouco de paciência que me restava.
- Eu tenho. – Justin disse irritado.
- Tem? Você fica bêbado por influencia dos outros, se isso é se controlar, imagino que tenhamos uma definição diferente sobre “controle”. – Falei nervosa.
- Eu não estou bêbado agora, estou sobre controle...
- Não Justin... – Aproximei-me. – Você não precisa disso... Você não precisa beber para esquecer que seus pais morreram, eu sei que isso também te influencia, eu também já pensei em encher a cara, mas isso não vai mudar as coisas. Você é melhor que isso, você é melhor que eles. – Apontei a casa. – Você não precisa de nada disso, porque é uma pessoa maravilhosa, é um garoto cheio de sonhos e com muito tempo para viver tudo o que quiser.
- Meggy... – Justin encarou meus lábios. – Eu não consigo mais controlar uma coisa... – Ele se aproximou mais e segurou meu rosto.
- Justin, meu amor. – Melissa fechava a porta da casa, ela virou-se e caminhou até o Justin, lhe dando um beijo nojento, revirei os olhos. – Eu estava pensando em um nome para o nosso bebê. – Melissa segurou a mão dele e fingiu acabar de ver. – Oi orfãzinha. – Ela disse sorrindo, meu sangue ferveu e me segurei para não voar no pescoço dela.
- Melissa! – Justin a repreendeu.
- Sem problemas Justin, melhor órfã do que vagabunda. – Sorri com a mesma ironia.
- Vagabunda? – Ela ia me bater, mas Justin a segurou.
- Está chocada? Pensei que você tivesse um espelho para notar isso, mas sem problemas... Eu posso comprar um para você. – Pisquei e ela tentou se soltar dos braços do Justin.
- Megan! – Ele parecia surpreso, abaixei a cabeça e virei-me, sai andando, ignorando aqueles dois.
[...]
- Meggy... – Eu estava na praia, sentada sobre a areia, observando a lua. Estava cansada, acho que chorei a tarde inteira. Justin sentou ao meu lado.
- Se vai me dar sermão, pode ir embora, não precisa gastar seu tempo, afinal, eu sou apenas mais uma órfã – Disse sem olhá-lo.
- Na verdade, eu vim te abraçar. – Ele sorria, eu podia ver pelo canto do olho, continuei encarando a lua. – Ah, qual é... – Justin me abraçou. – Meggy... – Ele ria. – Dá um sorriso. – Forcei um sorriso, tão falso, mais falso que a Melissa. – Boba.
- Cala a boca, não estou de graça com você. – O empurrei. – E sai daqui, não quero ouvir sua voz.
- Quer sim. – Ele se aproximou de novo.
- Se encostar em mim, eu quebro todos os seus dedos. – O fuzilei o com os olhos.
- Eu sinto muito pelo que a Melissa falou.
- Não fala esse nome, chega a doer meus ouvidos. – Disse e Justin riu.
- Por que a odeia tanto?
- Por que eu gosto de você e ela te faz de idiota. – O olhei. – Eu sei que é sua namorada, sei que será pai do filho dela, mas eu te considero um irmão, você é meu único amigo há anos e eu não gosto de ver como ela consegue te manipular.
- “Amigo”, “irmão”. – Justin abaixou a cabeça.
- Sabia que nos dias de hoje, você não precisa ser casado ou ter alguma relação forçada com uma pessoa, só porque terão um filho?
- Eu sei, mas se eu não fizer assim, Melissa não me deixará nem ver a criança, se é que ela a deixaria nascer.
- Então ficará com ela e será infeliz para o resto da sua vida? – Perguntei inconformada.
- Serei infeliz mesmo se não ficar com ela... – Ele olhou em meus olhos. – Acredite.
- A vida é sua. – Levantei e o deixei sozinho. 
Continua...

Comentem!

8 comentários:

  1. Continua *-* Continua *-* Continua *-* Continua *-* Amei!!!

    ResponderExcluir
  2. Continuaaaa *-* apaixonada �� @raiinhadapacoca

    ResponderExcluir
  3. PERFEITO DEMAIS <3
    posta logo,não aguento mais esperar hahaha curiosidade, ansiedade é tanta que sla hahaha *-*

    ResponderExcluir
  4. perfeito continua
    se poder divulge o meu blog esta no começo é http://thediarykidrauhlbelieber.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Que liammmdo *-*
    Amei super esse capítulo! Passei um tempão sem comentar aqui, mas tô de volta :))
    Odeio a p*ta da Melissa por ter atrapalhado o beijo da Meggy com o Justin. Mas amei a resposta que a Megan deu: "Antes orfã do que vagabunda." Sambou na cara dela! u.u
    Posta maaaaaaais!

    Marcella Meneses aqui :3

    ResponderExcluir
  6. Corte rápido, tramontina.
    kkkkkkkkkk ameeeeeei os foras!
    Justin meu filho, tome uma atitude logo;, você tá muito lento pro meu gosto!
    continuaa

    ResponderExcluir
  7. AAAAAAAAAAAAAHHHHHHHHHHHH QUASE MORRI AQUI!!!!!!!!1 "tem uma coisa que eu nao consigo mais controlar" aaaaaaaaaaaah Justin!! *-*

    continua logo, ta muito perfeito!!

    ResponderExcluir