quarta-feira, 22 de janeiro de 2014

"Falling" - Cap. 27




Eu não falei com o Justin antes de cirurgia e isso estava me incomodando. Eu estava deitada em uma maca, encarando o teto, um enfermeiro se aproximou e sorriu. “Não vai doer”, ele disse e enfiou a agulha no meu braço, continuei encarando o teto até apagar.

Senti meu corpo mais leve e meus lábios estavam secos, abri os olhos, mas eles estavam pesados. Vi alguns sorrisos envolta de mim e minha mãe me abraçou. Eu estou viva? Estou curada?
- Finalmente irá para a casa, meu amor. – Mamãe chorava de alegria.
- Para casa? – Senti meu coração acelerar. Eu estava respirando melhor também.
- Pai. – Olhei-o e ele me abraçou.
- Seu namorado é um garoto muito especial Liz. – Ele disse no meu ouvido, olhos dele estavam cheios de lágrimas.
- Justin... Eu posso ligar para ele? – Procurei meu celular e minha mãe me entregou, haviam milhares de mensagens e ligações perdidas.
“Alô” – Justin disse com a voz rouca e com um pouco de sono.
“Meu amor, te acordei?”
“ELIZABETH?” – Ele quase gritou. – “Eu não consegui falar com você ontem, eu fiquei a noite toda pensando em você, acabei de dormir, mas... Você está melhor?”
“Eu estou bem, meu amor, vou voltar para casa em breve” – Disse com um sorriso enorme.
“Ah que noticia boa meu amor, eu estou muito feliz. Não vou aguentar esperar para te abraçar. Ah Elizabeth, eu não acredito...”
“Falta pouco...”
“Eu não vou conseguir dormir até te ver... AAAH eu estou muito feliz” – Justin parecia estar muito animado e isso me deixava mais feliz.
“Eu também estou muito, muito feliz. Como estão as coisas por aí?”
“Melhorarão quando você chegar.” – Agora a voz dele mudou completamente, estava triste.
“O que está acontecendo Justin?”
“Nada Lizzie, só estou com saudade” – Ele mentiu, mas eu preferi não insistir. – “Eu preciso voltar a dormir, porque daqui a pouco tem aula, depois eu te ligo, ok?”
“Tudo bem, até mais, durma bem.” – Foi estranho como ele ficou, mas logo eu poderei vê-lo e saberei o que está acontecendo.
- Então, quando poderei ir para casa? – Disse sorrindo para o meu amigo doutor, que se chama Graham.
- Logo, mas tenha calma que o pior já passou. – Ele me abraçou. – Fiquei tão feliz quando soube que a cirurgia foi tranquila.
- Eu não senti nada. – Nós rimos.
- E agora? Vai voltar para a América? – Ele conversava comigo como se fossemos melhores amigos.
- Vou, eu adorei morar um tempo aqui, mas eu sinto falta dos meus amigos, da minha casa, até da escola. – Notei que meu pai ouvia tudo, ele se arrependeu mais do que nunca de ter nos abandonado, outra dia eu o vi olhando minha mãe, exatamente como fazia quando eu tinha quatro anos.
- E o namorado! – Graham perguntou animado.
- Eu vou poder vê-lo. – Disse feliz.
- Menina, você precisa ver o estagiário que chegou aqui hoje, que lindo. – Ele disse de um jeito tão engraçado.
- É gato?
- Nossa, é um deus grego. – Ri. – Preciso ir trabalhar, não vá embora sem falar comigo. – Ele beijou minha bochecha e saiu apressado.

[...]

Eu precisei permanecer em observação por uma semana no hospital, até eles notarem que eu estava bem e podia voltar para casa. Eu perguntei ao Doutor se haviam riscos do câncer voltar e ele disse que sim, porque isso acontece muito, mas que se eu continuar fazendo acompanhamentos médicos todos os meses, eles podem evitar isso.
Estava, agora, me arrumando para ir embora, eu já iria direto para o aeroporto, como combinei com meu pai, ele ficou muito chateado, mas disse que irá me visitar mais vezes do que eu imagino e isso me deu esperanças para que ele volte com a minha mãe. Eu sei que ele está casado, a mãe do Mitch é muito simpática comigo, mas eu sei que meu pai não a ama, eu sei que ele ainda ama minha mãe.
Tirei minha camisa e vi a cicatriz da cirurgia em meu peito, ela estará ali para sempre, para eu nunca esquecer de tudo que passei aqui. Vesti um vestido florido e um par de sapatilhas, olhei o lenço que minha mãe havia me dado, mas amarrei-o no pescoço. Há alguns fios de cabelo nascendo em minha cabeça, logo tudo voltará como era antes. Deixei o banheiro e vi minhas malas no canto do quarto do hospital e meu pai cabisbaixo no outro canto.
- Estou pronta. – Disse e ele me olhou.
- Vamos, vou levar você e sua mãe ao aeroporto. – Ele sorriu fraco e pegou minhas malas.
- Você podia ir morar nos Estados Unidos de novo, pai. – Ele me olhou e assentiu, continuamos andando. Pelos corredores, fui me despedindo de cada pessoa que me acompanhou no tempo que fiquei aqui.
- ELIZABETH!
- GRAHAM! – Nós corremos na direção um do outro e nos abraçamos.
- Já está indo? – Ele fez bico.
- Sim, mas eu espero que você não se esqueça de mim.
- Eu irei te visitar na América. – Ele piscou.
- Estarei esperando. – Abracei-o de novo. – Me ligue para contar sobre o deus grego.
- Com certeza eu ligarei. – Ele disse animado.
- Bom, tenho que ir, até logo! – Beijei sua bochecha e continuei caminhando pelo corredor, papai e eu entramos no elevador e ele continuava cabisbaixo. Mitchell e mamãe nos esperavam no estacionamento.
- Gatinha, eu vou sentir sua falta. – Mitch me abraçou.
- Eu também vou sentir a sua. – Abracei mais forte.
- Ainda vamos nos falar, certo? – Ele sorria.
- Claro que sim Mitch, sempre!
- Avise quando chegar, ok? – Assenti e beijei sua bochecha. Eu estava chateada por ter que me despedir assim, tão rápido, mas eu só quero chegar em casa logo e ver todos os meus amigos.

[...]

Papai me abraçou por alguns minutos até começar a chorar, me despedi dele em silencio, eu não queria dizer nada além de “Você será bem vindo se quiser voltar para casa”, mas eu não podia dizer isso, seria injusto com a mulher dele.
- Eu te amo papai, obrigado por tudo que você fez por mim. – Olhava nos olhos dele.
- Me ligue todos os dias, por favor. – Ele disse tentando não chorar mais.
- Eu irei. – Beijei sua testa e me afastei, acenei quando estava longe e ele sorriu. Segurei a mão da minha mãe e nós sorrimos uma para a outra.
- Estamos indo para casa querida. – Ela me abraçou e beijou minha bochecha.
Quando entramos no avião, parecia que meu coração ia explodir de tanta felicidade, eu estou indo para casa, curada, com minha mãe sem fumar mais, com meu pai voltando a amá-la, meus amigos esperando por mim e com o garoto que eu amo esperando para me abraçar.
Continua...

Por que vocês quase nem estão comentando? :(

9 comentários:

  1. Aaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaah QUE PERFEITOOOOOOOOOO *---*
    Desculpa não comentar,é que eu leio correndo. Desculpa linda.
    Ta perfeito. Continua ^-^

    ResponderExcluir
  2. Eu ri muito do deus grego kkkkkkkkk
    Continuaaaaa,está perfeito, desculpa não comentar é que leio rápido e esqueço :P
    Posta logo e mais vezes ^.^

    ResponderExcluir
  3. Continuaaaaa. Você é muito DIVAAA. Oq será q ta rolando com o Justin? Xoxo @BelieberJB_1994

    ResponderExcluir
  4. Continua...It's Per-fect sasuhaus'
    I'm Sorry...mais eu tive prova no curso,e estava resolvendo umas Coisas da minha nova escola é fui ver umas amigas minhas,que não vejo dês do fim do ano
    -Mariana Luiza

    ResponderExcluir
  5. PERFEITO DEMAIS, CONTINUA TA SENSACIONAL

    ResponderExcluir
  6. Continua perfeito rsrsrs

    Ass:Stefany

    ResponderExcluir
  7. Cara está muito foda , continuaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaaa
    -Bia

    ResponderExcluir
  8. Eu não estava conseguindo acessar minha conta do blogger, por isso fiquei esse tempo todo sem comentar... Mas agora estou de volta! *-*
    Não sei pq,mas sinto que essa alegria toda não vai durar por muito tempo... :s

    ResponderExcluir